Tianguá

O atual município de Tianguá era parte integrante do território da Villa Viçosa Real da América, antiga aldeia tabajara chefiada pelo morubixaba Irapuã (Mel Redondo), desbravada por corsários franceses vindos do Maranhão no ano de 1590, que sob a liderança de Adolf Montbille, fundaram a Feitoria da Ibiapaba. Em 1603-1604 o açoriano Pero Coelho de Sousa e Martim Soares Moreno, patrocinados pelo Governador Diogo Botelho, expulsaram os espanhóis da cuesta ibiapabana, abrindo caminho para, em 1607, os missionários da Companhia de Jesus, Francisco Pinto e Luís Figueira, catequizarem os selvícolas da grande nação Tabajara. Os padres Francisco Pinto e Luis Continue lendo Tianguá

O Ceará, ferreiro da maldição, por Rodolfo Teófilo (Parte 2)

A humanidade será sempre uma vasa infecta. Da vermineira surgem divindades. Da podridão brotam lírios imaculados. É o contraste da noite e do dia. Pasteur, São Vicente de Paulo, Jenner e São Francisco de Assis vem das trevas projetando luz!… Cabral foi um criminoso arrancando o Brasil do desconhecido. Na comunhão brasileira, tu és o ferreiro da maldição. Tuas irmãs contam com a regularidade das estações, com a estabilidade do clima. Se não tem certas pragas que as perseguem, se não conheces o frio das geadas, a chuva de granizo, que arrasa as searas em instantes, a praga de gafanhotos, Continue lendo O Ceará, ferreiro da maldição, por Rodolfo Teófilo (Parte 2)

O Ceará, ferreiro da maldição, por Rodolfo Teófilo (Parte 1)

Bela terra de Iracema, terra de areias brancas, de mar verde esmeralda, em que, à noite, o céu é azul como em paragem alguma do mundo. Terra minha amada, como és formosa, como és infeliz! Quando saíste do caos, quando te individualizaste à face do planeta, estranho na comunhão do cosmos, os fardos te sangraram mártir, e a natureza te deu belezas como não as deu às tuas irmãs. Nasceste sofrendo as inclemências de um clima vario, predestinada ao martírio, ora calcinada pelo sol, ora afogada nas águas que caem do céu. Mártires são os teus filhos desde os tempos Continue lendo O Ceará, ferreiro da maldição, por Rodolfo Teófilo (Parte 1)

9 anos de coisa de cearense

Hoje fazem nove anos que comecei esse blog que nasceu da vontade de divulgar tudo que o estado do Ceará tem de melhor e declarar meu amor por ele. Viajei para várias cidades para ter a oportunidade de conhecer, e assim, poder compartilhar minhas próprias experiencias, além fazer a divulgação com fotos da minha coleção. Divulguei a biografia de dezenas de cearenses que desempenharam papel importante na nossa história. Contei fatos curiosos, divulguei das cidades com mais destaque no estado, pessoas que fazem sucesso nacional e internacionalmente e que levam o nome do nosso estado para outras culturas, com sua Continue lendo 9 anos de coisa de cearense

Gaiatice

Tribo Indígena Anacé

O povo Anacé “habita tradicionalmente um território situado em São Gonçalo do Amarante e Caucaia, municípios da Região Metropolitana de Fortaleza. Sua emergência étnica tem estreita ligação com a instalação, na mesma área, de uma série de empreendimentos que integram o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP)” (Brissac e Nóbrega, 2010). Segundo Santana (2010) os Anacé aparecem “na literatura desde o século XVII, quando o padre Antônio Vieira cita este povo em seu relato da missão na serra de Ibiapaba. O historiador Carlos Studart Filho, em sua obra “Notas históricas sobre indígenas cearenses”, documenta que os Anacé moravam junto Continue lendo Tribo Indígena Anacé

Gaiatice

Jaqueline Aragão Cordeiro

Gaiatice

Jaqueline Aragão Cordeiro

Francisco Dias da Rocha

Francisco Dias da Rocha nasceu em Fortaleza, no dia 23 de Agosto de 1869 e faleceu em Fortaleza, no dia 22 de julho de 1960. Era filho do negociante português Joaquim Dias da Rocha e Francisca de Paula Rocha, seus avós paternos eram Maximiano Dias da Rocha e Maria José Pinheiro Chagas, prima legítima do escritor Pinheiro Chagas; e seus avós maternos, o professor Francisco de Paula Cavalcante e Cosma Rufina de Pontes. Dias da Rocha foi comerciante, pesquisador, professor e cientista. Começou seus estudos em 1880 nos colégios São José e Atheneu Cearense, mas teve de os suspender em Continue lendo Francisco Dias da Rocha

Coisa de Cearense

Jaqueline Aragão Cordeiro